Notícias

Mercado de imóveis comerciais no Rio bate recorde de desocupação

Mercado de imóveis comerciais no Rio bate recorde de desocupação

aluganorio

Depois da Copa, depois dos Jogos Olímpicos, depois de anos de crise econômica, o mercado de imóveis comerciais no Rio de Janeiro bateu recorde de desocupação.

Sabe há quanto tempo a faixa está estendida na frente do prédio, em Madureira, na Zona Norte do Rio ?
“Infelizmente há três anos”, diz Marlei Feliciano, proprietário de loja.

E olha que o proprietário tem tentado todo tipo de negociação do imóvel de 500 metros quadrados, desde que o último inquilino saiu.
“R$ 12.500 era o aluguel em 2014 e hoje, se aparecesse uma proposta de R$ 8 mil, eu já estaria locando. Mas nem assim, infelizmente”, contou.

O cenário de desocupação nunca foi tão ruim no Rio. De cada dez imóveis comerciais, quatro estão vazios. Na Zona Portuária, 87% das salas comerciais não foram alugadas. Num prédio, no Centro da cidade, são 28 salas na mesma situação, mais de 20% do total.

A corretora conta que o dono dos dois imóveis que ela administra já cortou 40% do valor do aluguel para não ficar no prejuízo com todas as taxas que continuam chegando.
“Ele tem taxas mínimas de manutenção, luz, taxa de condomínio, o rateio hoje, o IPTU, quer dizer, os impostos, que agora o IPTU está chegando no começo do ano. Então é mais uma sobrecarga na despesa mensal. Muito difícil”, disse Sônia Chalfin.

Imóvel comercial grande, médio ou pequeno, a dificuldade para alugar ou vender é a mesma. Numa rua no Centro do Rio tem oferta de aluguel para todo lado. Em frente a uma loja fechada, outra que também está para alugar. Cartazes oferecendo salas e, mais adiante, um salão de 160 metros quadrados que está sendo oferecido. Todos esses imóveis estão à espera de um inquilino há mais de um ano.

Para o mercado imobiliário, a crise financeira e a maior queda do PIB entre as capitais brasileiras ajudaram o Rio a desenhar esse quadro.

Mas os especialistas explicam que todos os eventos internacionais levaram a cidade a uma grande quantidade de novos empreendimentos e a viver momentos de preços muito altos dos imóveis. O que acontece agora é um ajuste que demanda um tempo de espera e de paciência.
“Neste momento, é um momento de uma certa ressaca que a gente vive no Rio de Janeiro. E essa ressaca está afetando o mercado imobiliário. Então tem que ter um pouco de paciência. Eu acho que esta recuperação está atrelada muito à questão política e econômica do país como um todo e do estado também. Então, passando um pouco, clareando mais, a gente não tem dúvida de que o mercado vai retomar”, afirma Leonardo Schneider, do vice-presidente do sindicato da habitação, Secovi-Rio.

Fonte : Jornal Nacional – Rede Globo de Televisão

 

< Voltar